Mitos e verdades sobre o câncer

Compartilhar
Share on Facebook
Facebook
Email this to someone
email
Print this page
Print

Afinal o que realmente oferece risco à nossa saúde? Hábitos poucos saudáveis, má alimentação, sedentarismo e exposição ambiental somam a maioria dos elementos associados à doença

 Ainda que o brasileiro (mais de 80%) atribua equivocadamente o câncer a fatores hereditários, todas as pesquisas e estatísticas comprovam que a doença está ligada a fatores externos. Além da maioria dos riscos ambientais estar relacionada ao estilo de vida, como tabagismo (30%) e uma mistura de nutrição inadequada, inatividade física e obesidade (35%), pesa ainda uma carga significativa de exposições ambientais.

A Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer (IARC), divisão de pesquisa de câncer da Organização Mundial da Saúde, classificou esses agentes como carcinogênicos para humanos; estes incluem tabaco, amianto, benzeno, arsênico, radiação ionizante e radiação ultravioleta.“Todas as estatísticas e pesquisas em torno do assunto são de extrema importância porque é desta forma que é possível identificar as principais lacunas de conhecimento e reconhecer oportunidades para intervir junto à população, de forma a buscarmos juntos, governo e sociedade civil, reduzir o risco e aumentar o diagnóstico precoce do câncer”, destaca o cancerologista da Onkológica, Kléber Dal Toé.

O câncer é a segunda doença que mais mata no mundo e ainda é cercado de desinformação e mitos, como os exemplos a seguir.

Celulares podem aumentar o risco de câncer cerebral?

Estudos apontam que sim. Isso não quer dizer que as pessoas tenham que deixar de usar seus aparelhos, mas as evidências sugerem que o risco aumenta quanto mais usamos.

Os campos magnéticos de baixa frequência das linhas de energia aumentam o risco de câncer?

As evidências são altamente consistentes, relacionando um aumento do risco de leucemia infantil em crianças que vivem perto de linhas de energia.

Os pesticidas aumentam o risco de câncer?

A ciência diz queo risco é maior em pessoas com altos níveis de exposição (agricultores e aplicadores de pesticidas), mas improvável em consumidores com níveis muito baixos de exposição.

O BPA causa câncer?

O BPA é um composto presente em inúmeros produtos, como brinquedos, celulares, garrafas de água e revestimento interno de latas de bebidas e comidas. Testes em animais revelaram que as evidências mostram que existe relação entre o BPA e o câncer.

Micro-ondas pode causar câncer?

O micro-ondas não tem a capacidade de transformar os alimentos nele aquecidos ou cozidos em alimentos radioativos. Além disso, o campo eletromagnético produzido quando o aparelho está em uso é insuficiente para causar alterações nos genes das células.

Adoçantes podem causar câncer?

Embora tenha se falado muito sobre esta possibilidade, estudos mostraram que não há associação comprovada entre o consumo de adoçante e câncer.

Alguns tipos de desodorantes podem causar câncer?

Não! Até o momento, não há evidência científica que comprove este indício.

A má alimentação pode causar câncer?

Sim. Uma dieta rica em gordura, pobre em verduras, frutas, legumes e fibras são fatores de risco para o aparecimento de câncer, principalmente de intestino.

Problemas emocionais e psicológicos, como depressão, por exemplo, podem causar câncer?

 Não há comprovação de que problemas emocionais e psicológicos sejam a causa de câncer, mas há estudos que mostram que são capazes de causar a diminuição do funcionamento do sistema imunológico, expondo a pessoa a maior risco de desenvolver algumas doenças.

 Todo câncer é hereditário?

 Não! O câncer é uma doença genética, isto é, causada por uma alteração no material genético das células (DNA), o que não significa que seja hereditário. Dentre todos os casos de cânceres registrados, cerca de 5 a 10% apresentam caráter hereditário. A maioria das alterações genéticas observadas nos tumores são causadas pelos malefícios causados pelo estilo e hábitos de vida não saudáveis ao longo do tempo.